Foto: Carlos Reinis/Band

MasterChef Brasil promove repescagem entre os 13 participantes eliminados

O clima de tensão promete tomar conta da cozinha mais famosa do país na próxima terça-feira (5). No 14º episódio da temporada do MasterChef Brasil, os 13 eliminados voltam ao estúdio para uma repescagem. Na primeira etapa do programa, eles terão de vencer três rounds com a proteína mais consumida no mundo: o frango.

Mas, como nada é tão simples no talent show da Band, os cozinheiros vão receber uma ave inteira e, à medida em que disputam as fases, devem escolher apenas uma parte para compor a receita, o que demanda conhecimento, habilidade e estratégia. Para complicar a vida dos participantes, o tempo de prova também será mais apertado.

Primeiro são 45 minutos, depois 30 minutos e, por último, apenas 20 minutos, ou seja, saber escolher a parte do frango para cada momento é fundamental. Mais afiados do que nunca, os jurados Erick Jacquin, Helena Rizzo e Henrique Fogaça não vão aceitar receitas secas e sem coerência. Alguns voltam para casa logo de cara e, quem sobreviver, segue para uma prova de fogo.

No segundo desafio, os competidores vão encarar uma disputa em dupla. A proposta é que eles façam versões de comidas de rua de três países diferentes: tempurá (Japão), ceviche (Peru) e taco (México). São pratos complexos, cheios de sabores e processos. Os pares vão trabalhar ao mesmo tempo e precisam se organizar para dividir as tarefas.

Para dar um apoio moral, o programa traz Vitor Bourguignon, que venceu uma repescagem durante a quarta temporada, em 2017, e foi campeão do MasterChef – A Revanche em 2019, e Hugo Merchan, que também garantiu uma nova chance no jogo e ficou em segundo lugar na quinta temporada, em 2018.

Ao final do tempo estipulado, os participantes apresentam suas criações e os chefs elegem a melhor dupla da noite, que irá se enfrentar para conquistar a vaga da repescagem. No entanto, uma surpresa muda totalmente o rumo da competição, deixando os competidores apavorados.

Premiação
Além do troféu, grande símbolo do melhor chef amador do país, a SumUp irá rechear a conta do melhor cozinheiro da temporada com R$ 300 mil. A empresa também vai oferecer ao vencedor de cada prova individual um prêmio de mil reais. O novo MasterChef Brasil ganhará da Amazon R$ 5 mil em compras por mês, durante um ano, para ser usado na loja amazon.com.br. Já a Claro vai levá-lo com um acompanhante para um destino gastronômico inesquecível, com o intuito de conectá-lo com tudo o que mais ama.

A Britânia dará ao vencedor produtos dignos de chef, enquanto a Brastemp o presenteará com uma cozinha completa da linha Gourmand. Já a Seara convidará o vencedor a participar do time de Chefs Influenciadores da marca para o desenvolvimento de receitas. O grande campeão ainda terá a oportunidade de fazer um curso de técnicas tradicionais da culinária francesa na Le Cordon Bleu Brasil. O segundo colocado também ganhará um curso de habilidades e técnicas da pâtisserie.

O MasterChef Brasil é uma coprodução Band/Endemol Shine Brasil/Discovery Home & Health baseada no formato da Endemol Shine Group. O talent show vai ao ar toda terça-feira, às 22h30, na tela da Band, com transmissão simultânea no Portal da Band e no aplicativo Bandplay. A atração também é exibida toda sexta-feira, às 19h40, no canal Discovery Home & Health.

Foto: Divulgação/Duelo de Mães

Feijão tropeiro, carne na cebola e mais: saiba fazer as receitas da estreia do Duelo de Mães

Neste sábado, 21, foi ao ar na TV, no site e no BandPlay, a estreia do Duelo de Mães, o novo reality gastronômico da Band, comandado Ticiana Villas Boas ao lado do chef Dalton Rangel. Fabiano, dupla com César Menotti, e os sertanejos João Neto & Frederico duelaram ao lado de suas respectivas mães e prepararam quatro pratos deliciosos: feijão tropeirocarne na cebolacoq au vin com cenouras e cebolas glaceadas e sobrecoxa com molho de laranja e cuscuz marroquino.


Enquanto Elsi Menotti preparou uma carne de panela na cebola, Celina, a mãe de João Neto e Frederico, fez o feijão tropeiro, prato favorito dos filhos. 


Na sequência, Fabiano e João Neto arregaçarem as mangas para elaborar um prato surpresa proposto pelo chef Dalton Rangel: a sobrecoxa com molho de laranja e cuscuz marroquino. Por fim, na última prova, as matriarcas reassumiram os fogões e foram desafiadas a preparar o coq au vin com cenouras e cebolas glaceadas. A Elsi Menotti levou a melhor e venceu a competição. 

Curtiu? Quer testar as receitas em casa? Abaixo, clique no nome do prato e saiba fazer o passo a passo completo:

Feijão tropeiro


Carne na cebola


Sobrecoxa com molho de laranja e cuscuz marroquino


Coq au Vin com cenouras e cebolas glaceadas

Foto: Carlos Reinis/Band

Tiago é eliminado do MasterChef em prova da empadinha: “Não era minha hora de sair”

Eliminado no 6º episódio de MasterChef, Tiago (36) ficou poucas semanas no programa, mas se entregou à competição. Fez receitas das quais se orgulha, liderou uma prova em grupo, foi classificado pelos colegas como um forte concorrente e se emocionou ao ser salvo pelo mezanino. Mandado para casa nesta terça-feira, 10, por ter tido mais erros do que acertos na prova da empadinha, o comunicólogo lamentou deixar o jogo tão cedo.

“Ainda não é a minha hora de sair, vou voltar” prometeu aos chefs na despedida. Tiago estava confiante, enxergava com clareza seu crescimento no talent show e se sentia cada vez mais confortável para cozinhar com paixão. Ficou o gostinho de “quero mais”, como conta ao Band.com. “A ficha não caiu, parece que não está acontecendo. Tenho a impressão de que estou sonhando com essa parte chata.”

Vivendo um episódio, mas sempre imaginando o que estava por vir, o brasiliense já idealizava os próximos capítulos do programa e treinava muito para conseguir mostrar sua personalidade nas provas. “É por causa desse tipo de sentimento que fica a vontade de permanecer. Eu sei que estava começando a me adaptar, conseguindo levar melhor o jogo e as execuções”, reflete. “Deve ser natural se sentir meio injustiçado, achar que outros [participantes] poderiam ter saído antes, mas faz parte”, completa.

Faltou tempo de forno para que a empadinha pudesse se destacar e garantir a permanência do competidor na competição. É um clássico do programa, ideias boas, mas que se perdem no tempo de prova e pecam por detalhes. “Visualmente talvez não estivesse a mais apetitosa, mas eu estava satisfeito quanto ao recheio e a textura da massa”, explica. Para ele, seu maior erro foi ter contado aos chefs quais eram os defeitos do prato antes mesmo deles notarem. “Eu talvez me arrependa de ter falado que poderia estar um pouquinho crua. Talvez fosse importante aumentar a verdade. Tentei depois do resultado final, mas não adiantou muita coisa.”

De agora em diante, o brasiliense planeja aproveitar os frutos do MasterChef e viver novas experiências. Seja como comunicador, cozinheiro, produtor de conteúdo ou o que vier. “Sei que tem muita gente trabalhando em cozinhas e enfrentando dificuldades na crise. Quero tentar ajudá-los, respeitar a carreira como um todo e não ter a prepotência de achar que vou abrir um restaurante e vai dar tudo certo”, analisa

Seu plano é, por enquanto, se tornar comentarista do programa em suas redes sociais. Nem por isso deixará de treinar para uma possível repescagem ou para entrar no programa em outras edições. “Quanto antes voltar, melhor, porque estou com energia, estou treinado e posso apresentar um pouquinho mais. Já estou com vontade de fazer outra prova. Se houver uma repescagem, perfeito, estou pronto.” Esperamos te reencontrar em breve, Tiago!

Saiba tudo o que rolou no 6º episódio de MasterChef

Direto do túnel do tempo…
A segunda Caixa Misteriosa da 8ª temporada de MasterChef trouxe como convidado especial Mohamad Hindi, que participou da 1ª edição do programa, em 2014. Além da visita, o cozinheiro teve a chance de preparar uma receita com berinjela para os jurados. Mohamed deixou a cozinha elogiado por Jacquin, que se declarou: “Te amo de paixão”

Caixa misteriosa
Berinjelas de todos os tipos e tamanhos foram o ingrediente da vez na prova de classificação. Isabella, que venceu a eliminação da semana passada, pode escolher quais colegas ficariam com três caixas douradas que se destacavam no estúdio. O “presente” foi dado para Heitor, Eduardo e Pedro, que não puderam fazer mercado e tiveram que cozinhar apenas com os itens deixados em cada bancada.

Após 1 hora, na degustação, uma surpresa: sem nem mesmo gostar da fruta, Ana Paula se destacou na disputa e foi eleita a melhor cozinheira de berinjela da noite. André e Isabella também receberam elogios positivos e garantiram vaga no mezanino. Por terem sido considerados destaques negativos, Sérgio, Amanda e Kelyn foram direto para a prova de eliminação.

Fortes, médios e fracos
Grandes responsabilidades foram dadas a Ana Paula por ter cozinhado tão bem. Na sequência do desafio, a cozinheira teve que dividir os colegas que não tiveram destaque na 1ª prova em fracos, médios e fortes.

Depois de separados os grupos, Ana recebeu a difícil missão de mandar um deles direto para a prova de eliminação. Daphne, Eduardo, Luiz e Tiago, considerados por ela como fortes, foram os escolhidos para ir à berlinda. Cristina, Helena, Márcio e Raquel, dos fracos, junto a Pedro, Heitor, Renato e Juliana, dos médios, foram poupados.

Prova de eliminação
Empadinhas com dois recheios e molho de salsa picante definiram o eliminado do 6º episódio de MasterChef. Em apenas 1 hora e 3 minutos de mercado, os cozinheiros tiveram que acertar na massa e nos sabores do quitute.

Eduardo venceu a decisão com empadinhas recheadas com frango e uma versão doce com queijo e goiabada que encantou os jurados pela criatividade. Já Tiago, Sérgio e Amanda não impressionaram e foram os cozinheiros que mais apresentaram erros.

No mezanino, Heitor precisou reunir o grupo para definir quem teria uma nova chance no jogo. Amanda foi a escolhida por maioria de votos e Tiago acabou eliminado.

Cozinheiros amadores e Mohamad Hindi enfrentam Caixa Misteriosa no MasterChef

Band leva ao ar na próxima terça-feira (10) o sexto episódio do MasterChef Brasil com uma das provas mais emblemáticas da temporada. Dessa vez, os participantes terão de trabalhar com a berinjela, um ingrediente muito consumido pelos brasileiros. Nas bancadas, além das Caixas Misteriosas convencionais, eles serão surpreendidos por três douradas, que podem trazer uma vantagem ou uma desvantagem para quem ficar com elas.

Vencedora da última prova de eliminação, Isabella terá a missão de escolher três pessoas para ficarem com as versões diferenciadas, podendo estar entre os selecionados. Diante de uma pilha cheia de berinjelas de tipos, cores, tamanhos e formatos diversos, os competidores precisarão criar um prato que valorize o fruto e surpreenda o paladar dos jurados.

Dentro das caixas douradas há uma seleção de ingredientes que trazem caminhos para possíveis receitas, mas sem abertura para tanta criatividade. Quem estiver com elas, não poderá ir ao mercado, diferente dos demais concorrentes.

Para a surpresa dos cozinheiros, Mohamad Hindi, um dos ex-participantes mais queridos do país, retorna à cozinha para relembrar sua trajetória em 2014 e colocar a mão na massa. Mesmo não concorrendo à uma vaga no mezanino, ele admite estar com medo de enfrentar os chefs mais uma vez, por isso fará tudo o que puder para impressioná-los.

Ao final, o autor do melhor prato terá que dividir os adversários em três grupos: fracos, médios e fortes. Além de classificar o nível de cada um dos seus concorrentes, ele ainda enviará um dos times direto para a prova de eliminação, o que deixará o clima ainda mais tenso.

No desafio derradeiro, os competidores vão ter de preparar seis empadinhas com dois recheios diferentes e uma salsa picante. Embora pareça fácil, a iguaria é cheia de processos e será preciso muita criatividade, concentração e habilidade para entregar o prato dentro do tempo estipulado. Quem conseguir agradar o paladar do trio de jurados, segue direto para o mezanino, enquanto os piores ficarão na berlinda. Um deles terá a oportunidade de ser salvo pelos colegas. Após a escolha, Erick Jacquin, Helena Rizzo e Henrique Fogaça definem quem será o sexto eliminado do talent show.

Premiação

Além do troféu, grande símbolo do melhor chef amador do país, a SumUp irá rechear a conta do melhor cozinheiro da temporada com R$ 300 mil. A empresa também vai oferecer ao vencedor de cada prova individual um prêmio de mil reais. O novo MasterChef Brasil ganhará da Amazon R$ 5 mil em compras por mês, durante um ano, para ser usado na loja amazon.com.br. Já a Claro vai levá-lo com um acompanhante para um destino gastronômico inesquecível, com o intuito de conectá-lo com tudo o que mais ama.

A Britânia dará ao vencedor produtos dignos de chef, enquanto a Brastemp o presenteará com uma cozinha completa da linha Gourmand. Já a Seara convidará o vencedor a participar do time de Chefs Influenciadores da marca para o desenvolvimento de receitas. O grande campeão ainda terá a oportunidade de fazer um curso de técnicas tradicionais da culinária francesa na Le Cordon Bleu Brasil. O segundo colocado também ganhará um curso de habilidades e técnicas da pâtisserie.

MasterChef Brasil é uma coprodução Band/Endemol Shine Brasil/Discovery Home & Health baseada no formato da Endemol Shine Group. O talent show vai ao ar toda terça-feira, às 22h30, na tela da Band, com transmissão simultânea no Portal da Band e no aplicativo BandPlay. A atração também é exibida às sextas-feiras, a partir das 19h40, no canal Discovery Home & Health.

Fotos: Carlos Reinis/Band

O que os participantes do MasterChef comem no hotel em que estão confinados? Descubra aqui

Isolados em um hotel na cidade de São Paulo para as gravações do MasterChef, os participantes da 8ª temporada fizeram do confinamento seu segundo lar e há meses não tem contato com o mundo exterior. Longe de casa, a rotina na cozinha também mudou e tudo o que eles comem é produzido por terceiros. Engana-se quem pensa que os cozinheiros podem comer tudo o que fazem no programa ou até mesmo levar uma “marmita” para o hotel. No confinamento, o cardápio é outro. Contamos tudo abaixo:

Hambúrguer de picanha, arroz de costela, sobrecoxa de frango, espaguete à bolonhesa, penne e várias outras opções recheiam os jantares durante os dias da semana. É no hotel onde as primeiras e últimas refeição do dia, antes e depois de cada gravação, são servidas. Aos sábados e domingos é possível pedir comida por delivery e experimentar pratos diferentes.

Acontece que em meio a rotina agitada, alguns hábitos alimentares mudaram e além dos novos sabores colados na mesa, a ansiedade se tornou tempero extra. Gabriel, 2º eliminado da competição, diz ter sentido dificuldade para comer durante o dia, quando o nervosismo pelas provas era recorrente.

“O jantar acabou se tornando a refeição que mais consegui aproveitar porque já estava tranquilo e menos nervoso com as provas. Durante o café da manhã ou o almoço, ficava preocupado com o que iria preparar nas gravações”, explica.

Campeões de audiência no cardápio
Com tanta variedade no menu fica difícil escolher o que comer? Que nada! Por lá, todos já criaram tanta familiaridade com o cardápio que elegeram seus favoritos. Heitor e Antônio, por exemplo, são fãs do hambúrguer de picanha. Já Isabella prefere o arroz de costela. Todos são apaixonados pelo pudim de leite.

“É o melhor do mundo. Tem uma textura ótima e sem furinhos. Já tentei conseguir a receita com o chef, mas ele parece ter um segredo e não conta”, explica Isabella.

Antônio estava na lista dos que ficaram apaixonados pelo clássico. “Quando gosto de uma coisa peço repetidamente. O pudim é o melhor que já comi na minha vida. Fico perguntando aos outros participantes se alguém não vai querer ele como sobremesa para mandar pra mim”, brinca. Até quem já foi embora, como Gabriel, lembra com saudade da receita: “Foi o que mais me marcou. Esperava o dia pra comer.”

Ampliando o repertório
A vida gastronômica de um MasterChef pode ser bem diferente do que eles cozinham quando estão no programa. É no fim de semana que os competidores conseguem variar ainda mais o cardápio e provar novas receitas via delivery. Já parou pra pensar que, para eles, comer é como um estudo?

Isabella, que mora em uma região com pouca entrega de comida, está aproveitando a oportunidade para experimentar tudo o que não consegue pedir quando está em casa. Já Kelyn encomenda, pelo menos em uma refeição, algo que nunca comeu para ampliar seu repertório na cozinha e ter mais referências no jogo.

Todos eles guardam ainda, em seus respectivos quartos, mantimentos de emergência para comer quando bate a ansiedade, a fome na madrugada ou a vontade de comer algo diferente. É o caso de Daphne que é atleta e recorre aos doces quando sente saudade de andar de skate. Ou da Kelyn que tem chocolate no quarto como forma de acalento aos dias difíceis. Antônio também não fica de fora e guarda biscoitos, salgadinhos e barrinha de cereais.

No fim, todos acabam criando vínculos para além da comida. O cardápio vai se tornando uma importante lembrança de um período decisivo e transformador na vida. É o arroz de costela, o hambúrguer e o pudim que vão ganhando gosto de confinamento do MasterChef 2021 e um dia ainda vão deixar saudade.

Fotos: Carlos Reinis/Band

Antônio não consegue reproduzir receita de Fogaça e é eliminado do MasterChef

Nunca é fácil se despedir de um sonho, pior ainda se o adeus inclui dar até logo a amizades queridas. Foi com este sentimento que o maceioense Antônio, de 23 anos, deixou o MasterChef na noite desta terça-feira (3) após ficar na berlinda com sua melhor amiga na competição, Helena. Desafiado a reproduzir uma receita do chef Henrique Fogaça, o publicitário não conseguiu executar bem o prato e levou broncas dos jurados que o escolheram como o pior participante do 5º episódio. Antônio se despediu com a promessa de se tornar “um cozinheiro melhor”.  https://player.mais.uol.com.br/?mediaId=16954202&autoplay=false&share=false&related=false

Ele, que foi salvo pelo mezanino no 1º episódio da temporada, diz ter pedido aos colegas para que não o salvassem novamente caso fosse preciso. “Quando a Isa ganhou a prova e foi falar comigo, pedi para que ela enviasse a mensagem aos outros de que possíveis votos em mim poderiam ser transferidos para a Helena. Eu já tive a minha oportunidade”, conta em entrevista ao Band.com

Levado até a porta pela amiga e aplaudido pelos colegas, Antônio não imaginava, quando entrou na competição, que criaria vínculos tão fortes. No início do programa, chegou a dizer que as relações poderiam ser complicadas pelo confinamento e que os competidores que quisessem “guerra” com ele, teriam. A realidade foi um tanto diferente e agora ele planeja levar alguns laços para a vida.  

“A gente brinca que eu, a Helena e a Isabella somos as ‘meninas superpoderosas’. Fechamos um trio e ficamos muito felizes com a amizade que se estabeleceu. A gente segurava a mão um do outro e se apoiava”, recorda.  

O que eles não esperavam era que, no primeiro episódio em que cozinharam juntos, no desafio do churrasco, a dinâmica afastaria o grupo. O eliminado percebe que acabou sendo um dia de muitos altos e baixos: “Fiz um bom trabalho nas provas em grupo e consegui entregar boas carnes. Depois, não fiz uma boa réplica, mas saio feliz. Por mais que tenha sido a minha despedida, foi a prova que mais gostei de fazer”. 

Dos cinco episódios que participou, Antônio cozinhou em quatro deles e foi salvo por colegas em dois. Na estreia da 8ª temporada, o nervosismo foi gigantesco e ele ouviu dos chefs que sua receita não tinha personalidade. Desde então, acredita ter começado a ganhar confiança. “Eu vinha numa crescente, estava me sentindo cada vez mais seguro, encontrando meu espaço.” 

Apesar de sair no primeiro mês de programa, o publicitário se sente orgulhoso por ter tido coragem de deixar o sofá de casa, em que acompanhou tantas temporadas, para competir de verdade.  Da participação, ficou a vontade de ter mostrado ainda mais seu potencial, mas ele não descarta voltar em uma possível repescagem. “Gostaria de fazer algo com carne de porco. É o ingrediente que mais gosto, mais tem a minha cara e que iria bem em uma prova.” 

Fica, agora, a torcida por Helena e Isabella: “São as duas pessoas que quero na final do programa”. Já quem ele não imagina vencendo, por uma questão de proximidade, é Eduardo. “É um concorrente forte, mas não está na minha torcida.”  

Apostas feitas? Obrigada por tudo até aqui, Antônio.  

Veja o que rolou no 5º episódio do MasterChef Brasil 

Fogo no parquinho  
Logo na primeira prova da noite, os participantes foram recepcionados por Naiara Azevedo e Fabiano Menotti ao som de clássicos sertanejos. Ana Paula Padrão anunciou que eles precisavam se dividir em três equipes para preparar um churrasco digno de chef.  

José Sergio, que venceu a eliminação da semana passada, foi o capitão de um dos times e escolheu com quem gostaria de trabalhar. Os participantes que restaram tiveram que se dividir em duas equipes e eleger um capitão para cada. André e Tiago foram os escolhidos pelas equipes vermelha e amarela.  

Ao longo de 45 minutos, os participantes tiveram que preparar a carne, os acompanhamentos e um molho. Na degustação, ponto para a equipe amarela, liderada por Tiago, que acertou nas receitas e entregou ainda uma sobremesa de banana que deixou os jurados e convidados encantados. Com a vitória, Tiago, Márcio, Kelyn, Eduardo, Raquel e Daphne foram ao mezanino.  

Convidados colocam a mão na massa 
Na segunda etapa da primeira prova, Naiara e Fabiano se juntaram, respectivamente, aos times vermelho e azul. Os artistas ajudam no preparo das refeições e foram avaliados pelos chefs. 

Com uma peça de contrafilé, cada grupo teve que fazer o corte adequado da carne, grelhar e servir com molho e acompanhamentos. Desta vez, a vitória ficou para o time azul e emocionou Fabiano, que fez amizade com os participantes em apenas 30 minutos. Heitor, Renato, Ana Paula, Luiz, Pedro e Sérgio garantiram vaga no mezanino.  

Em clima de Dia dos Pais…  
Helena, Juliana A., Isabella, Amanda, Cristina, André e Antônio enfrentaram a prova de eliminação. O desafio foi reproduzir uma receita de robalo do chef Henrique Fogaça. Os competidores foram surpreendidos por uma visita especial do pai do jurado, João, que fez uma bonita homenagem ao filho.   

Em meio a muita emoção e a uma aula profissional, os participantes tiveram 1 hora e muita dificuldade para acertar na reprodução. Ao fim da contagem regressiva e da degustação, Isabella levou a melhor e foi elogiada pela execução da receita. Juliana, Amanda e Cristina também foram destaques.  

Na berlinda, Helena, Antônio e André dependeram do mezanino para garantir a permanência no jogo. Ana Paula Padrão pediu a Márcio que entrasse em consenso com os outros participantes sobre quem deveria ser salvo. André foi o escolhido e Antônio acabou sendo eliminado. 

Sesc RN tem cardápio para o Dia dos Pais

O mês de agosto está chegando e, com ele, o Dia dos Pais. Pensando em oferecer conforto e planejamento aos filhos que pretendem homenagear seus papais, o Sesc RN preparou cardápio especial, oferecendo serviços de desjejum, lanches, congelados, almoço e ceia.

Todas as unidades do Sesc RN têm preços acessíveis, variedade e cardápio balanceado elaborado por nutricionistas.

⦁ Unidades que oferecem o serviço aberto ao público: Cidade Alta, Rio Branco e Zona Norte (Natal), Mossoró e Caicó.
⦁ Serviços oferecidos*: desjejum, lanches, congelados, almoço e ceia. Também oferecemos pratos especiais para datas comemorativas, como: Dia dos Namorados, Dia dos Pais.
⦁ Diferenciais: preços acessíveis, variedade e cardápio balanceado elaborado pelas nutricionistas do Sesc.
⦁ Total de lanches e refeições servidas de janeiro a maio de 2021: 219.097.
⦁ Os valores do cardápio são diferenciados dependendo da categoria do Cartão Sesc (trabalhadores do comércio e seus dependentes, conveniados e público em geral) ou as pessoas sem cartão.
⦁ Informações gerais: www.sescrn.com.br

Detalhamento dos serviços sistemáticos
⦁ Desjejum:
café da manhã saudável e equilibrado – incluindo algumas receitas da culinária regional. Unidades: Sesc Cidade Alta (Natal) / Sesc Mossoró e Caicó. 
Lanches: as lanchonetes do Sesc comercializam alimentos que compõem um cardápio variado e balanceado com frutas, sucos, tapiocas, sanduíches e massas com baixo teor de gordura. Já nas Escolas Sesc o lanche dos alunos é pensado para atender as necessidades nutricionais, estimulando crianças e adolescentes para a prática de uma alimentação saudável.  Unidades: Sesc Cidade Alta (Natal) / Sesc Rio Branco (Natal) / Sesc Zona Norte (Natal) / Sesc Mossoró / Sesc Caicó
⦁ Refeições: almoços e ceias completos e saudáveis, com cardápio balanceado por nutricionistas. O cliente tem a opção de escolher entre refeições diversificadas, condizentes com a rotina de cada unidade. Unidades: Sesc Rio Branco (Natal) / Sesc Mossoró e Caicó. 

*** Sesc Rio Branco

Em 2019, o Sesc Rio Branco foi reaberto oferecendo aos empregados de empresas do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, conveniados e público em geral na Cidade Alta e proximidades, um espaço totalmente novo para almoços em formato self-service com cardápios balanceados, nas opções: tradicional, fit, vegetariano e vegano. 

*Matéria produzida em parceria com o Sesc RN

Perdeu o MasterChef Brasil? Assista ao 4º episódio na íntegra

É emoção que você quer? O quarto episódio do MasterChef Brasil 2021, exibido na noite de terça-feira (27), foi eletrizante! A primeira prova em equipes da temporada marcou o programa, que contou com a participação especial do ator e apresentador Felipe Titto. Os participantes foram desafiados a preparar 300 marmitas para pessoas em situação de rua em 2 horas. Uau!

Na prova de eliminação, os cozinheiros amadores tiveram que fazer o croque monsieur, um clássico sanduíche francês, sob os olhares atentos do jurado Érick Jacquin. Que responsabilidade, hein?

VEJA VÍDEOS ABAIXO:

PARTE 1

PARTE 2

PARTE 3

PARTE 4

PARTE 5

Fotos: Carlos Reinis/Band

Juliana N. é a 4ª eliminada do MasterChef e diz que fazer amigos no programa é “ilusão”

Elegância e gentileza marcaram a passagem de Juliana N. no MasterChef Brasil. Gaúcha de coração, a estilista de Jaraguá do Sul (SC) deixou o programa no quarto episódio, exibido nesta terça-feira (27), após enfrentar três provas de eliminação ao longo da 8ª temporada. No desafio do croque monsieur, seu sanduíche teve mais erros do que acertos e foi o pior por escolha dos jurados. Apesar de perder no jogo, Juliana ganhou o carinho do público. Em sua trajetória, chamou a atenção pelo jeito empático e teve seu nome entre os assuntos mais comentados do Twitter, além dos vários seguidores que passaram a acompanhá-la em outras redes. Em entrevista ao Band.com ela conta detalhes de tudo o que viveu no talent show

“Me senti amada” diz, logo nos primeiros minutos de conversa, ao analisar o engajamento dos fãs do programa que a acompanharam até aqui. É que ser admirada mesmo na derrota a fez olhar seu íntimo e voltar no tempo em um processo empoderador. “Ser real e verdadeira só me faz acreditar que sou mais forte. Durante a vida inteira me mostrei vitoriosa e quase perfeita, mas muitas vezes escondi meus fracassos, perdas e dores. Poder agora assumir as críticas de cabeça erguida me faz um ser humano muito melhor”, garante. 

O amor veio das redes sociais, mas dentro da cozinha o cenário foi outro. Das relações que criou, fica a torcida para Daphne que, segunda ela, foi quem mais lhe passou verdade na dinâmica. “Ela é madura apesar de jovem, focada, concentrada e tem uma boa experiência na cozinha […] Teria muito orgulho de ser mãe dela.” Já sobre os demais, garante que tem muita gente criando relações por interesse. “Acho que as relações de verdade existirão lá fora simplesmente porque a gente se conectou aqui. Aqui elas ainda são por interesse. As pessoas que acreditam que estão criando amigos aqui estão se iludindo.”

Embalada pela canção “Tempos Modernos”, do Lulu Santos, a estilista entrou várias vezes no estúdio cantando repetidamente “vamos viver tudo o que há para viver”. Hoje, encara a experiência intensa de cozinhar sob pressão como algo libertador.  “Sou muito feliz por ter entrado na disputa. A escolha de me inscrever foi minha e, quando eu decidi, o universo inteiro conspirou.”  

Uma das provas que mais emocionou Juliana foi justamente a do episódio que ocasionou sua eliminação. Poder cozinhar marmitas para 150 pessoas em situação de rua fez seu coração bater mais forte. Liderada por Sérgio, capitão da equipe azul, ela esteve envolvida na produção do molho. “Não posso dizer que foi uma boa liderança, mas foi uma boa equipe. […] Por ter experiência em cozinha solidária, eu sabia que precisava usar bem o equipamento disponível para vencer no tempo. O líder não teve muito o que impor ou brigar porque o grupo era muito afinado”, explica.  

Seu maior orgulho? Ter ouvido da chef Helena Rizzo que o Devil’s Food Cake que preparou no 1º episódio era uma obra-prima em sabor e apresentação. “Ninguém recebeu um elogio assim. É uma lembrança para o resto da vida para uma cozinheira amadora que faz tudo com amor, sem estratégia, sem jogo, sem técnica ou preparo.” Deu certo!  

A caminho de casa, do reencontro com o marido, Gustavo, e com o filho, Augusto, a participante acredita que cumpriu com o objetivo de dar o seu melhor na competição. “Por mais que eu tenha dito muitas vezes sobre vencer o MasterChef, o que eu ganhei de experiência de vida foi imenso”, analisa. “O que fica é que as vitórias são muito maiores do que a gente almeja. Quando a gente olha para o troféu, não percebe que muitas coisas vêm pelo caminho.” Sentiremos saudade das suas reflexões, Ju! Boa sorte.  

Foto: Carlos Reinis/Band

Eliminada do MasterChef, Ana Karina deixa cozinha dançando frevo

Aos 40 anos, Ana Karina entrou no MasterChef Brasil imaginando que lidar com a timidez seria seu maior desafio na competição. Enganou-se. Acostumada a cozinhar em casa e com o tempo a seu favor, descobriu na cozinha do talent show que o difícil mesmo é lidar com a pressão de ter poucos minutos e nenhum planejamento prévio para executar as receitas. Na noite desta quarta-feira, 21, a pernambucana errou no preparo de donuts e, ao servir a massa ainda quente com buttercream, viu o recheio ser sugado pelo doce. Mesmo eliminada, a oftalmologista deixou o estúdio animada, cantando e dançando frevo.

Orgulhosa de suas raízes nordestinas, a expressão artística foi uma maneira de mostrar ao Brasil um pouco da cultura que, na cozinha, teve poucos episódios para apresentar. Em entrevista ao Band.com ela conta que em sua vida, a dança independe da timidez e foi simbólica no momento de despedida. “Eu quis homenagear a minha cultura e a minha terra. Sou muito orgulhosa dela e quis mostrar o conteúdo do pernambucano”, reflete.

Da saída precoce, ela celebra poder ter preparado, no 2º episódio, um cuscuz que diz tanto de suas tradições. “Não fico triste, mas gostaria de ter mostrado mais regionalismo. […] Quando fiz o cuscuz gostei muito porque é uma coisa que a gente come no dia a dia. Em casa, aproveitamos a receita do café da manhã ao almoço e sei que as pessoas vão se identificar com isso.”

Foi o cuscuz servido com alcatra que marcou a primeira participação de Ana Karina na 8ª temporada do programa. Após ficar no mezanino no episódio de estreia, ela entrou na cozinha na segunda semana e cozinhou carne sem nem mesmo provar o prato, já que retirou a proteína do cardápio há quase 6 anos. Na disputa, fez tudo por olho e com as memórias que restaram do passado, mas acabou ficando na média e sendo salva por Daphne, que foi a melhor da noite, e a levou ao mezanino.

Na ocasião, se sentiu aliviada: “Estava nervosa e ansiosa, precisava de um tempo para me acalmar e conseguir focar na comida. Me ralei, me queimei… Achei bom ter sido salva porque estava exausta mentalmente e fisicamente. Foi bom para organizar a minha cabeça”. Embora com boas relações, as amizades não foram o suficiente para garantir que o mezanino salvasse a médica em disputa com Kelyn e Juliana N.

De volta para casa e para suas maiores paixões, os 11 gatos e a rotina como cirurgiã, Ana pretende matar a saudade dos felinos e, no futuro, investir em seu Cat Café, restaurante com renda revertida para o cuidado dos animais. “Minha ideia não foi eliminada com a minha saída, não. Agora [sem o prêmio] vou levar mais tempo para colocar o meu plano em prática, mas vai acontecer”, celebra. Receitinhas em seu canal no Youtube também ficam na promessa da participante que sai certa de que superou um grande desafio e volta para seu estado mais forte. “Foi bom e positivo, diferente do que eu esperava quando assistia em casa”, garante. Por aqui, seguimos ansiosos para acompanhar o que vem por aí, Ana!

Veja o que rolou no 3º episódio do MasterChef Brasil

Caixa misteriosa dourada
O retorno da caixa misteriosa à 8ª temporada do MasterChef trouxe como novidade a versão dourada do clássico. A caixa representa uma vantagem ou desvantagem para quem estiver com ela. Desta vez, Helena foi a selecionada por ter vencido a prova da semana anterior, de tímpano. Mesmo sem saber o conteúdo da surpresa, ela escolheu ficar com ela e não repassar para outro competidor, alternativa que lhe foi dada por Ana Paula Padrão. Deu sorte!

No primeiro desafio da noite, todos os participantes cozinharam, mas nem todas as caixas tinham ingredientes. Em duplas, os cozinheiros tiveram que dividir 24 insumos de forma igualitária. Helena foi a exceção e ganhou o direito de cozinhar com todos os elementos disponíveis.

A briga da pimenta
A decisão dos competidores, que consistiu em escolher entre miúdos de frango, camarão e outros ingredientes, começou agitada com uma discussão entre Eduardo e José Sérgio que enfrentaram problemas para definir o destino da pimenta. No fim, o duelo foi definido em um acalorado par ou ímpar motivado pela apresentadora do talent show.

Após 45 minutos, Renato teve o melhor desempenho da prova e saiu vencedor. Ao seu lado, Helena, Ana Paula e Luiz também foram destaques. O melhor da noite recebeu o direito de salvar 7 pessoas que ficaram entre as medianas na disputa. Renato levou Heitor, Sérgio, Daphne, Márcio, Isabella, Raquel e Antônio para o mezanino justificando que eles são os mais fortes no jogo em sua visão. Cristina, Kelyn e Juliana N. tiveram desempenho ruim e foram direto para a prova de eliminação.